quinta-feira, 10 de março de 2011

Desabafo

Raquel. Sem brincadeiras, sem piadas. Quero te falar sério como nunca falei antes.
Desde o dia em que te conheci, minha vida mudou. Eu senti uma coisa que há muito não sentia. Um desejo renovado, um súbito interesse em mim mesmo. Me vi como um homem de conquistas e aventuras amorosas, um eu esquecido em meio aos problemas e à rotina do casamento.
Eu te amo pelo quanto você é especial, pelo que você é e pelo bem que você me faz.
Depois de te conhecer, eu mudei. Mudei a forma de ver o mundo, a forma de viver. E descobri o que é viver de verdade.
O surf que eu só fiz duas semanas (e que você mesma diz que só fiz para trocar o pelo: o do peito ficou na prancha e o da cabeça ficou loiro); o uísque que eu tive enfim coragem de voltar; deixar de marcar os horários do meu dia pelos remédios. Para que remédios? Tudo o que o meu coração precisa é de você.
E sem você eu não sei o que fazer mais da vida.
Você sempre ficou chateada com essas coisas que meus amigos falam, que você é muito nova ou que está de olho no que eu tenho.
Eu não acredito neles, Quequel. Se fosse antes de te conhecer, da forma como me via, eu até iria acreditar. Afinal, o dinheiro era a medida de minha vida. Não o prazer. Não era mais o amor. Mas você mudou isso.
Você pode não estar atendendo minhas ligações, mas espero que não apague a mensagem que te envieie. Vamos nos falar hoje. Eu vou lhe dar a prova definitiva do meu amor. A prova de que eu te amo mais que todo ou qualquer dinheiro ou bem material nesse mundo.

segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

Campanha “Volta, Quequel!”

Deixa de besteira, Quequel. Não está vendo que não tem nada a ver você ter ciúmes de minha colega de trabalho.
E claro que eu não te desrespeitei em colocar aqui uma brincadeirinha com nossa briga. Nem parece a Quequel bem humorada que eu conheço.
Estou te escrevendo aqui porque você não atende mais minhas ligações.

Mas tudo bem, se você não volta para mim por me desculpar, volta por maioria de votos, então.
Vamos lá gente, todo mundo batendo palmas e gritando em uma só voz: "Volta!! Volta!! Volta!!"

quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

Problemas no paraíso

Imagine a seguinte situação:
Você está em casa, preparando aquele jantarzinho para sua mulher linda e o seu celular toca. Claro que você esqueceu ele na sala, onde sua esposa está vendo a novela e ela pega o telefone logo para que o Wando pare de tocar. Não sem antes reclamar do toque brega que você botou. Você pergunta quem era e ela não responde. Caminha até você com uma expressão que colocaria medo até no guarda costas do Hitler e pergunta carinhosa “QUEM É ESSA RAPARIGA??”. Você olha para o celular e descobre que sua colega de trabalho ainda está na linha. Você:



A) Toma o celular e se desculpa com a moça, explicando que sua mulher adora brincar (tentando disfarçar os gritos de “Estou brincando uma porra!!”)



B) Manda a esposa entregar o celular e dizer que nunca mais faça isso de novo.



C) Se joga pela janela.



Não importa. Se você escolher A, B ou C vai estar errado de qualquer forma.
Eu descobri isso da pior forma.



Ô, Quequel, pra que esse ciúme todo? Não sabe que o Alberinho é todo seu!?



Parece que essas coisas só acontecem comigo mesmo! Dava para fazer uma série de TV para contar as confusões que me meto.



Título: Problemas no Paraíso



Slogan: Casamento é feito rapadura: é doce, mas não é mole não! (KKKKKKKKKKKk)



Contrata eu, Tevê Grobo !

domingo, 9 de janeiro de 2011

Urru! Issa!! Maneeeeero!

Para os não iniciados, a frase acima é o modo surfista de dizer como foi bom o meu dia.
Quase arranquei o cabelo do peito com a parafina da prancha, bebi meio oceano (que Dr. Renato vai compensar com mais um comprimidinho. Esse para a pressão) e estou com areia até no... no.

Mas foi muito bom!! Urruuuu! Issa!! Maneeeeeero!

Pegar onda mesmo não peguei. Mas semana que vem tem mais.

Ah, para quem me chamou de surfista prateado por causa dos meus cabelos brancos, pode deixar, que semana que vem vou estar um surfista igual ao carinha aí embaixo. Claro que um pouco mais malhado!! (risos)





segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Conquista

Com sorte, encontramos uma musa como essa uma ou duas vezes na vida. Com mais sorte ainda, temos uma oportunidade (e aqui só uma!) de tentarmos conquistá-la. Mas a sorte para na oportunidade. Daí pra frente é com você.




Comigo aconteceu numa praia. Quase me pegou desprevenido.




Estava com os amigos quando ela passou e eu era só mais um daqueles pescoços que iriam torcer para acompanha-la. Ela se aproximava da gente com aquele biquíni branco e uma saída de banho que se agitava ao vento. Na hora só consegui pensar numa palavra para descrevê-la: UAU!




Ela passou perto de mim e nossos olhares se cruzaram. A danadinha passou bem perto de mim e me encarou de um jeito que era impossível resistir.



Daí em diante, eu já sabia o que fazer. Me aproximei, ela olhou pelo canto do olho. Corou e sorriu. Eu falei como quem não quer nada. Ela respondeu, mas ainda com um pé atrás, fazendo charminho.





Mas eu soube fazer. Não podia ir direto demais, mas também não dava pra ficar esperando. Essa geração não tem tanta paciência e é mais fácil se cansar com a espera do que se assustar com a investida.




Convidei para um chope e descobri que ela não bebia (gracinha!). Mas me acompanharia com um suco de laranja. Pedi um uísque, então. Estava com uma saudade danada de um scotch e a ocasião merecia. Mesmo que dr. Renato me receitasse um comprimido a mais por dia.




Ela me fez contar tudo sobre mim. Minha vida, meu trabalho. Os últimos dias do meu casamento. Ela ouvia tudo com atenção e me fazia contar sempre mais. parecia até uma investigação. Eu queria saber mais sobre ela, mas parece que o que tinha para saber, o que ela permitia se conhecer, estava já tudo ali. O mais eu teria que conhecer aos poucos.




Aceitei a aventura.